sábado, junho 16, 2012

Nós, só nós, amor

205315_4182170473436_409857521_n_large

     Bateu uma saudade de te chamar dos apelidos que um tempo atrás corava suas bochechas, de te xingar apenas para te ver revidar com as gírias que só nós entendemos. Senti falta da forma engraçada que a gente costumava lidar com certas notícias e de como você era um palhaço quando se tratava de me arrancar um sorriso. Ao mesmo tempo em que apertava o coração, pensei na nossa música e coloquei-a para tocar. Desabei a chorar. Enquanto o instrumental ia evoluindo e toda a letra formava a melodia e fazia total sentido, se passava um lindo filme por minha memória e em poucos segundos transmitiu os sentimentos mais apertados e guardados em meu ser. E eu senti vontade de passar este filme em todos os cinemas do mundo, para todos assistirem e verem o quanto nosso amor já foi lindo, passar para que vissem essa nossa comédia romântica levada aos trancos e barrancos numa vida que nem a distância foi capaz de separar. A música é a trilha sonora perfeita para emocionar qualquer coração de pedra que ao menos renda-se a assistir. E quem ousar dizer que é apenas uma música... Ah, ousou e farei calar-se, pois é a nossa música, nosso filme, E nossa história. Nossas risadas ressaltava alegria que se fosse distribuída pra o mundo o inteiro, ainda sobrava. Mas tropeçamos, e nossa música se repete a todo instante, e do passado, a única coisa que volta são os toques de piano da nossa velha canção e todos os dias adormeço ouvindo-a, sonho com nossos abraços nunca abraçados, e com nossa velha infância nunca tida, nossas memórias inventadas e com a barreira da distância, essa que infelizmente, sempre foi real. Foi o romance mais belo e singelo, assim como o brilho do seus olhos que minha memória já assistiu e gravou. Foi o livro não-escrito que minha lembrança leu e ainda relê. E eu apenas sinto falta, não há nada que eu possa fazer para mudar, nada que eu possa dizer. Ninguém errou, meu amor, nós dois somos inocentes. Mas nossas feridas cicatrizadas não podem simplesmente remendar nosso velho passado e fazer tudo voltar. Eu sinto sua falta. Sei que agora estamos juntos, mas sinto falta do amigo que você era, da amizade que nós tínhamos, do amor que nos preenchia. Eu sinto sua falta, amor, e continuarei dizendo. E se não podemos continuar, ainda assim em meus sonhos viajo para um passado só nosso, meu mundo de fantasia agora é seu e meu e cuidarei bem dele, como gostaria de poder cuidar de você.

Flávia Andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook