sexta-feira, dezembro 20, 2013

Você, meu pequeno verso

   Já escreveram sobre tanto... Tudo já é poesia. O sol, mar, vida, amor, flor, vento. Tudo já nos fez chorar de alegria e tristeza, nos transmitiram emoções, o mundo os conhece na arte e na própria vida e, gradativamente, vão perdendo o sentido, pois algo tão íntimo como o azul do céu não poderia ser espalhado entre folhas por aí.
   Mas você, tão só e meu, não ficará em qualquer canto, mesmo sendo assim tão lindo, te guardarei nessa pequena página enquanto ouço nossa música tocar e minhas lágrimas prometem não contar que você para sempre estará aqui.

Flávia Andrade

quinta-feira, dezembro 12, 2013

Eu deveria ter me entregado. E me integrado. Mas meus movimentos retrógrados não obedecem minhas necessidades. Há essa parede que impede tudo o que pode acontecer e eu não consigo derrubá-la. Sou tão fraca.

Flávia Andrade

Notas de um devaneado. Parte II

Eu poderia resistir a qualquer coisa negavelmente aceita. Poderia deixá-la arrancar uma parte de mim e levar embora, seria capaz de permitir que ela arremessasse um caminhão contra meu corpo.  Eu era forte, de pedra. Por ela. Mas quando seu sorriso se dirigia a mim, meu coração pulsava tão forte.  Eu me tornava um inútil sem ação.  Um fugitivo sem pernas. Eu ficava indefeso quando ela sorria.

Flávia Andrade

Notas de um devaneado. Parte I

Ela diz que não dá a mínima para a diminuição de tempo de vida que o cigarro causa e que, de qualquer maneira, pode morrer de repente.  Eu gostaria de ter esse mesmo ponto de vista ou ao menos aceita-lo. O problema é que por ela eu parei de tentar me matar, por causa daquele sorriso devastador eu parei de chorar, me tornei tão firme e corajoso, passei a parar de me esconder dos monstros a noite, pois quando ela esteve com medo, eu levantei e lutei contra eles.  O problema é que eu busquei pela vida, alcancei-a, abri os olhos para a realidade, me dediquei a cada dia. Toda segunda feira após acordar, sentava-me na cama e dizia a mim mesmo: Vou aguentar, só mais hoje. Eu juro, eu não vou desistir hoje. E eu repeti isso nas terças, quartas, quintas... Durante a semana, os meses e os anos. Eu não vivi intensamente, mas eu vivi.  Meus pensamentos suicidas continuavam me rodeando a cada desastre em minha vida (e foram tantos!), mas eu me mantive firme. Esse era o problema. Porque eu estava ali vivendo por ela enquanto ela estava se matando por um descaso filho da puta. A cada cigarro finalizado eu vejo um desperdício de dedicação meu aumentar na lista. Parei de viver forçadamente, agora vivo por mera acomodação. Mas foi um caminho árduo até aqui.
- Apague essa porra desse cigarro! - Esbravejei de repente.
  Ela riu melancólica.
 - Apague você.
  Eu não sei que força me levou até ela e levantou  minha mão, mas rapidamente aquela merda esfumaçante foi para o chão.

Flávia Andrade
Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook