domingo, abril 12, 2015

Reticências e Reticênicas


Reticências.
    Depois de três pontos, eles sugerem, sempre acrescente algo bem bonito que surpreenda. Eu penso tanto nas minhas reticências, no vazio que deixo por não saber (nunca) o que dizer. Eu procuro sinônimos para cada palavra das minhas ideias banais, assim vejo se no papel elaborado ficam melhores. É sempre uma ação má sucedida. Nada novo, nada que se prolongue à vida e ao texto. Depois de três pontos perco o foco e se os coloco, é porque já perdi o ritmo. Eu incrementaria com um trecho daqueles que ficam batucando na mente mesmo depois de horas, mas eu não sei onde esses trechos se perdem em mim. Eu os tenho, mas não os encontro. Depois de três pontos um fim.

Reticênicas.
    Mas o fim, digo a eles, atua por si mesmo. O fim esclarece a frase, o parágrafo e a história, contudo deixa um mundo inteiro por fora daquilo e quem lê assiste com os olhos que quiser, olhos maravilhados ou inquietos.Tantos tipos de olhares se destinam à peça que se desencadeia pós fim. Então, eu junto meu fim às minhas reticências, transformo-os em reticênicas, deixo uma grande ideia por vir. E ela virá por quem lê. E quem lê virá pelas frases iniciais. E o texto nunca acaba, nunca morre. Sempre novo, sempre prolongado além da vida e do texto.

Flávia Andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Arquivo do Blog

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook