sábado, novembro 07, 2015

Vidas de mão única


    Pode ser essa ideia de pertencer a alguém que nos desestabilize. Não sabemos ser de ninguém. Não somos. Não temos plural. Não passamos de dois errantes, meio perdidos, bêbados sem álcool, escorados em balcões, deitados em sofás, caídos no chão. E se um quiser vir junto ao outro, pode vir e andar com passos ritmados, a estrada é para todos afinal. E se um quiser dormir na cama do outro também, pode dormir. Podemos nos cobrir de nós e fingir que somos sonhos e que, ao acordar, as nossas vidas de mão única continuam.
Flavia Andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Arquivo do Blog

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook