quinta-feira, agosto 30, 2012

Decifrar

- Você não sorriu hoje,
ele disse e me abraçou
talvez eu devesse receber tal abraço,
talvez eu devesse sorrir,
mas não o fiz.

Rapidamente chorei desesperada
- Você não está bem.
É claro que não!
- Que mal me pergunte...
Não pergunte!

- Quer alguma coisa?
Cuide de mim!
Não fez nada, não leu meus pensamentos
Sempre esperei que o fizesse,
Pois nunca tive voz.

Voz para pedir, responder, voz para ser
Só tinha letras escritas, frases elaboradas,
E cadernos, versos... Só tinha cartas,
Que nunca recebera,
Nem imaginava!

- Fique bem.
Não ficarei se não ajudar!
Diga, diga que o quer
Diga que o ama
Peça que fique
Implore que não vá.

Solucei.
Isso não é frase nem pedido
Não há como interpretar
Não há poderes, mas entenda
As promiscuas de um coração ferido.

Ah, como odeio tal loucura
De prender as palavras enquanto
diz ser poeta

Mas de repente fico assim
Meus atos não obedecem
As falas que se tecem
só em papel

Flávia Andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook