quinta-feira, agosto 30, 2012

Des(espero)

Desejando
aos poucos
mutilando
as mentiras que omitem
sorrisos me testando,
procurando respostas
para jogos,
desafios
apostas

Apostas de te ter
jogos que te vendem
e desafios que te perdem.

Querendo debalde fugir
deles a me invadir.

Eles, os que manipulam
que não sentem,
mentem
os olhos, são eles
quem falam.

Mostram o que não quero
em minutos de apelo
desespero.
Des-espero.
Não espero sen-ti-men-to.
sem-ti-minto
sem-ti-medo

Flávia Andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook