sábado, junho 13, 2015

uma guria

 

   eu sou essa guria que você vê, quieta e quase inerte, não há como mudar. sou só mais um guria entre todas as outras dessa rua, desse bairro e do resto de um mundo inteiro que nem imagina. você pode continuar seu caminho sem pensar nas mágoas que me deixou, pode continuar amando com todo aquele amor que eu pedi e não tive resposta. afinal, sou só mais uma guria sem resposta sentada nesse banco me perguntando quem errou primeiro, quem errou tanto para falhar no teste todo? e ainda que você tente voltar e me ofereça todas as coisas já com fim e pouco esquecidas, sou essa guria com remendos, cabeça baixa, band-aids, cigarros, desconcentração, adormecida, confusa, neurótica, taquicardíaca, emocionalmente de mal a pior, que pensa em uma pessoa só. e essa pessoa só vê todas as outras gurias e não olha praquelali, quela guria na sua frente declarando um texto em voz alta, esse aqui. e ela vai ler até que você perceba de quem se trata, vai sair pra buscar um martelo e uma mordaça se no último ponto final você ainda estiver sorrindo ou talvez fique verde e encontre sua espaçonave de volta para o planeta a qual pertence, só assim explicaria como você nunca a notou. sou essa guria que diz coisas de criança e adulto numa frase só, que diz sim até a metade do caminho e a partir de então vai dizendo não até chegar, que só percebe que entrou numa montanha russa quando desce zonza e olha para cima. e toda metáfora vai condizer com tudo o que você já fez com ela, é porque de repente você se tornou todo o ar poluído que essa guria respira. eu sou esse pulmão perdido, esse coração arrebentado, esses pés cortados, esse rosto remendado, esse corpo dolorido, esses hematomas roxos esverdeados, esse vermelho todo na sua boca, esse brilho todo nos seus olhos, essa beleza toda que ela não cansa de ver. nem quando as mágoas tentam cegar, nem que você não se coloque na frente dela enxergando o que ela realmente é. e, por isso, ainda educadamente explica: eu sou essa guria, com todas essas loucuras que não passam despercebidas e ofusca todo o amor que tenta dividir. sou essa guria olhando para você, esperando que você diga que ainda é esse guri que eu costumava conhecer.

flávia andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Arquivo do Blog

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook