domingo, julho 20, 2014

Às vezes o amor aponta pra um certo alguém tão desigual e a vida desanda. As coisas velhas vão se desfazendo. A casa desmonta, pois o alguém muda cada canto. A dor antiga desmerece tamanho sofrimento. O falatório desenrola, o riso desembesta. 
E você pensa: será desamor? Como pode se no fim você só desfruta e não desapega? Façamos os verbos ao nosso favor.

Flávia Andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Arquivo do Blog

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook