domingo, junho 21, 2015

por você

    fecha os olhos por alguns minutos enquanto eu corro pra fazer mil doideiras de gente que gosta tanto que até perde as estribeiras das contradições. se você acha que ando fazendo muito pouco por nós, espera só até eu ir buscar seu café predileto lá na fábrica de jundiaí, comprar todas aquelas camisetas de todas aquelas bandas de todas aquelas cores pra encher seu guarda-roupa, pesquisar oitenta mil receitas procurando o nome daquele doce que você viu uma vez por aí e ficou com tanta vontade que nenhum outro doce parece tão bom e eu vou descobrir e vou fazer pelos próximos trezentos e sessenta e cinco dias. mas fica de olhos fechados porque não pode me ver em total desespero nesse lado do cabo de guerra puxando tudo sozinha com toda força que você espera que eu tenha só pra nos salvar. e só abre quando eu disser que já pode, pra você encontrar em mim toda a arrumação da nossa vida guardada na menina pela qual se apaixonou à oitava vista naquele lugar que não lembra bem. eu vou consertar tudo enquanto você deita fechando os olhos tão profundamente que vê uns brilhos estranhos e até sente uma dor de cabeça. mas passa logo, eu prometo, trago um remédio pra dor também. deixa que eu resolvo a gente, e se precisar, vou ao cartório, arranjo testemunhas na rua, podemos casar. se ainda não tiver tanto motivo, a gente fura a fila da adoção, pega quinze crianças, muda para uma casa maior, puxa amor do mais profundo do nosso ser e dá pra todas elas. fecha os olhos pra dormir bem enquanto termino de assinar e guardar a papelada, separo por pastas, enfrento a burocracia e venho pra te dar beijo de boa noite. eu aguento tudo isso, você só tem que prometer que fica aqui, como sempre fica, com os olhos fechadinhos e um sorriso pra me receber de volta. eu ajeito a gente, a família e o resto do mundo pra gente se salvar nesse tumulto todo de gêmeos e escorpião, nessa bagunça enorme de tanto-faz e exagero, nesse universo desnorteado que a gente criou quando se conheceu. prometo que fica tudo bem.

flavia andrade

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, por ler e comentar. Retorne sempre que sentir vontade.

Arquivo do Blog

Tecnologia do Blogger.

Curta no Facebook