Um átimo de sorriso

por - abril 09, 2017

✨You're good for my soul✨  #regardscoupables #eroticart #eroticdrawing

Um átimo de sorriso. Foi o que durou sua felicidade ao me ver. Eu, por menos que a metade, nunca mais por inteiro, rendendo-me ainda a chamar-me de eu, se agora não era nada. Eu não me olhava mais no espelho, mas se me visse também logo desfaria toda e qualquer brecha de ânimo. Mas sua empolgação desmanchada no ar fez com que pequenas tristezas repousassem como chuva em mim, no ambiente selecionado ao acaso para o encontro que não podia mais ser adiado. Se soubesse antes do que descobriu agora, adiaria por dias intermináveis. Se não tivesse me visto nesse segundo já um pouco passado, continuaria sorrindo tonta para as árvores caminhantes de fora do ônibus.
Devo ter decaído um pouco mais por sua reação, e me tornado decaimento continuado por ver em seus olhos que me olhavam, eu que não era eu, a tristeza de me encontrar no corpo desgastado de um errante que foi para longe se perder. Seus olhos que se tivessem prosseguido com a felicidade seriam capazes de me contar todas as coisas boas que lhe aconteceram nos últimos meses, piscando somente para inserir apostos. Mas a fiz sucumbir à tragédia da minha presença, que não sou eu, mas um apelo de outro.
Pelo sorriso que precisou ser deformado, supus que já vinha sorrindo desde antes, de outra coisa que não estivesse em mim. Foi pela suposição que olhei para fora nos primeiros instantes após perceber seu átimo desaparecido. Não, não desviei os olhos por vergonha ou medo da decepção que causei. Desviei para encontrar no lugar de onde vinha o que não pôde encontrar na pessoa que encontrou, eu, não mais eu. Poderiam ser tantas coisas para o motivo do seu riso, o riso frouxo que se iluminava como memória na minha mente naquela casa que tinha uma plantação de tomates miúdos. Tomates cerejas? O nome eu não lembro, o seu sorriso observando-os, sim. Lá fora mais algumas mesas e cadeiras do pequeno comércio anotado como nosso ponto de encontro, algumas pessoas, alguns carros; o que significava o espaço entre os seus lábios, o seu revelar dos dentes? Qualquer coisa que eu não tivesse trazido comigo, por óbvio.
Tornando a olhá-la, ainda com certa distância, ainda de pé com os braços largados rente ao corpo como se fossem as grandes orelhas do elefante Dumbo que pareciam nunca se adequar. Tornando a olhá-la sob distrações inevitáveis, o que eu já esperava: seus olhos marejando para o choro que a falta de quem eu era tinha avisado que faria neste corpo despertencido. Eu pediria perdão por trazer a falta de mim nos trapos que me formei, mas como vir sem ser resultado do que fui? Tornando a olhá-la, lágrimas. O meu corpo tão não meu, irreconhecível, era ela quem chorava ou eram esses meus novos olhos? Eu teria resposta se não fosse a dor de dente, latejando, interrompendo meus pensamentos a cada vez que os engatava.
Não sei quantos segundos de choro suspenso no ar, que não era ar, mas sufoco de falta, quantos segundos de choro antecederam meu convite balbuciado: senta aqui comigo. Com esse desconhecido. Vi seus passos oscilantes em direção ao banco de couro vermelho para duas pessoas encostado na parede, e suas pálpebras baixas evitando um diálogo silencioso e dando como obrigação meu lugar no banco à frente. Os espaços ao lado de cada um de nós restaram para sobrepor nossos sentimentos transformados em bichos selvagens atracando-se para cima da mesa enquanto, parados, pensávamos num meio de não ser mais aquilo: ser o que já tinha sido para refazer o que esperamos tanto para reacontecer. Estendi a mão direita para alcançar a sua esquerda, mas o garçom distraído ao largar dois cardápios a nossa frente interrompeu meu maior gesto de coragem. Deste ponto em diante fui só receio.
Eu parei para escrever um texto ontem, suas palavras do passado ecoando num presente incabível. Qual tom meu poderia dizer de volta que sua escrita dependia de mim e longe, tão longe como essa proximidade física e forçada de agora, não era nada mais que vocabulário arremessado no papel. Que tom dela serviria para me acalmar do mal que causei. Conseguiu terminar? Não. Ficou parado lá. Mas escreveu bastante? Duas páginas congeladas. Era sobre aquelas coisas? Aquelas coisas que eu conhecia. Era sobre te ver de novo. Receio. Receio. Receio. Nem mais uma palavra. Meu silêncio, sua mão soltando da minha. A minha que até então tinha tido dificuldade de encaixar com seus dedos, desproporcional como todo nosso dia compartilhado. Como se o excesso fosse o que não queríamos e o que faltava fosse aquilo de se dar certo. Estávamos num rodízio de comida vencida.
Meio de canto de olho, a visão de suas mãos trazendo da bolsa para o cigarro um isqueiro trêmulo. Tremia como minha pálpebra direita, atrapalhando a concentração. A dor de dente novamente. Latejando. Meu eu antigo não tinha tantos efeitos colaterais quando a via, só depois: quando lembrava. Ela também não trazia consigo essas fraquejadas desinibidas, era mais forte que seu colar herdado com pingente de peixes. O que houve com a corrente? Ficou para trás, acho que perdi naquele bar que a gente ia. Eu que não era eu precisava de um leito para enfermos ou daqueles tomates cerejas? tomates cerejas e um saleiro, salgando e mordendo o mesmo gosto do seu riso, do seu átimo perdido. Ai, o que eu não daria para voltar a ser o que a completava e fazia ser o que não sou mais. Eu voltaria e encontraria a corrente. Mas não volto nem a mim.
Olha, incomodada como uma unha quebrando na carne, você não precisa ficar aqui. Um gole de água da torneira no copo com três pedras de gelo. Se não estiver curtindo, sabe que eu não ligo, pode ir; sua voz direta, sem tropeçar na minha defensiva. A dor pontual em meu peito, corte rente. Ela sentia ainda aquela empatia de não se deixar sentir sozinha, dando espaço a me pronunciar em nome de nós: se não estamos bem, vamos pra casa. Mas se fôssemos, lá fora nos lembraríamos da incompletude que restou dos nossos destinos sul e norte, separados. Lá fora os pés virariam para trás, não andariam mais para frente. Eu não estou incomodado, você está? Um novo riso de um pouco mais que um átimo, porque dele apossou-se o nervosismo. Acho que não estou, não. Um riso meu um pouco mais longo que o dela. O dela em resposta, duradouro. O meu sobre o seu. Uma palma repousando de leve na mesa formulando outro som. Enfim nossa orquestra.
Lembra daquele... O que você vai fazer hoje? O passado se deixou de súbito interromper. Aliviou nossos corpos nos bancos, as feras pararam de brigar, voltaram para dentro de nós, leves, calmas. Para não buscar no repouso o reverso, a minha voz saiu baixa para a sua pergunta do presente: o que você estiver a fim de fazer. Olhando em seus olhos, um pouco mais brilhosos, a devolução ao meu corpo de uma parte daquele meu eu. Era, então, o que precisávamos fazer? Apenas estar presentes. Se fosse; adeus, receio. Eu ainda não fui em um lugar que parece muito... Vamos. Tomei a coragem de feras que já enfrentaram o mundo do outro e voltaram sãs. Talvez o amor sirva melhor para turistas.
Pegamos o ônibus que parava em frente ao local, vimos da janela a árvore que suspeitei que fosse o motivo do seu primeiro riso, não estive errado. Do seu colo ao meu um conforto para as mãos readequadas. O destino já não era mais importante, só importava estar. E estar é segundo pouco, são pequenas ações de novo, de novo, de novo. Estar não é passado, vem dele como futuro e instaura-se como presente até evaporar. E, então, é preciso estar de novo. Visitamos cada espaço de estado, experimentamos. Tornando a olhá-la, somente seus olhos, nariz, boca, riso. Nada mais. Poupamos os significados maiores, porque dali iríamos embora. Dali para outro presente. Para estar presente, a resposta recuperou-se em outro átimo. 

Leia também:

0 comentários